domingo, 12 de agosto de 2012

Bater ou não bater no meu filho com vara, eis a questão?


A Lei 8.069/90, que instituiu o Estatuto da Criança e do Adolescente, condena maus-tratos contra a criança e o adolescente. O artigo 18 diz assim: “É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor.

A Deputada petista Maria do Rosário (PT-RS) definiu castigo físico como: “proibição aos pais de dar palmadas, tapinhas ou chineladas nos filhos em qualquer situação.” A Deputada Sandra Rosado (PSB-RN) fortaleceu a ideia da petista dizendo: “O castigo físico imposto a uma criança, ainda que moderado, constitui ato de violência, com traumas significativos. O castigo físico aplicado a uma criança deverá ser completamente abolido da legislação como forma de educação.

Eu concordo plenamente com o artigo 18 onde o Estatuto da Criança e do Adolescente protege crianças e adolescente de tratamentos desumanos. Mas discordo plenamente das opiniões das deputadas Maria do Rosário e Sandra Rosado quando defendem que os pais devem ser proibidos de baterem nos seus filhos como forma de correção, disciplina e aprendizado.

Pode ser que estas deputadas, quando fizeram estes infelizes comentários, almejavam uma sociedade sem violência a começar de casa, da família. Mas elas extrapolaram ao usar meios errados que a Palavra de Deus discorda. Não se pode querer o melhor para uma sociedade invalidando os ensinamentos bíblicos.

Quem deve criar, educar e disciplinar os filhos são os pais baseados na Palavra de Deus. Alguns afirmam que a Bíblia não traz ensinamentos atualizados e suficientes para criação, educação e disciplina dos filhos, mas isto é mentira de Satanás. A Bíblia não é obsoleta em nenhuma área da vida, sempre será atual e oportuna. Inclusive sobre a discussão que se segue, a Bíblia é o melhor Conselho.

Quero ainda citar mais um exemplo recente que a mídia aproveitou para ensinar que bater nos filhos é errado. Vocês já devem ter visto ou ouvido a reportagem de uma professora que se estressou com um aluno e mandou um bilhete aos pais pedindo que eles, os pais, dessem umas varadas e cintadas no filho que estava mal comportado em sala de aula. Não quero aqui fazer juízo se a professora procedeu corretamente ou não. Mas percebo que a mídia aproveitou a atitude da professora para mostrar que ninguém, nem mesmo, os pais devem bater nos filhos, em hipótese alguma. Segundo a mídia é incabível para os pais baterem em seus filhos como forma de correção.

Diante deste cenário onde vejo princípios bíblicos sobre a criação de filhos sendo feridos quero defender que os pais devem sim, quando preciso, usar a vara como um instrumento de correção, educação e disciplina para o bem de seus filhos. Apresentarei cinco motivos para os pais baterem com vara nos seus filhos.

Por que corrigir o filho com a vara? Primeiro, porque a desobediência está entranhada na criança.

Pv 22.15: A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da disciplina a afastará dela. Estultícia é o mesmo que rebeldia ou desobediência. Esta estultícia faz parte da natureza da criança. Toda criança é pecadora porque já nasce em pecado. O Salmo 51.5 diz: “Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe.” Você não encontrará uma criança que nasceu obediente aos pais, pelo contrário, a criança quer que sua vontade prevaleça, por isso desobedece. Então qual é o instrumento para afastá-la da rebeldia? A Vara. Enquanto Deus aconselha o homem a afastar a criança da desobediência com a vara, as leis humanas procuram manter a criança na rebeldia sem a vara. E o que provavelmente acontecerá? Futuramente estas mesmas leis humanas prenderão estas crianças que já estarão maiores porque irão furtar, matar ou porque serão um dos muitos políticos corruptos que temos no nosso país.

Por que corrigir o filho com a vara? Segundo, porque é uma questão de amor dos pais para com os filhos.

Pv 13.24: O que retém a vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo, o disciplina. Disciplinar com a vara é uma questão de amor! Se você não disciplina com a vara, quando é necessário, você está demonstrando para ele que não o ama. Pois o que ele mais precisa no momento, não é de palavras somente, mas de palavras com a vara. Nem sempre só as palavras são o bastante! O objetivo de se utilizar a vara é para que a criança tema a Deus e aos pais. Para que ela se torne uma criança sábia. É isto que afirma Pv 10.13: Nos lábios do prudente, se acha sabedoria, mas a vara é para as costas do falto de senso.

Muitos pais têm trabalhado demais, tanto o pai como a mãe. Daí eles não tem tido tempo de acompanhar seus filhos. Eu pergunto a você: será que compensa trabalhar tanto e abandonar o seu filho. Será que compensa trocar o seu filho por um pouco mais de dinheiro? Será que um pai assim, ou uma mãe assim, que abandona o filho numa creche, e passa o dia todo sem vê-lo, será que os pais estão realmente amando seus filhos? Quando isso acontece, a criança crescerá sem um referencial de pai e de mãe. Lembre-se que a obrigação de educar, de corrigir e de disciplinar, é somente dos pais e de mais ninguém! Cuidado pais!

Por que corrigir o filho com a vara? Terceiro, porque ele evitará práticas pecaminosas futuramente.

Pv 23.13, 14: Não retires da criança a disciplina, pois, se a fustigares com a vara, não morrerá. Tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno.” A palavra fustigar significa bater com vara. O conselho bíblico para o pai ou a mãe bater com vara no filho levará a criança a ser uma pessoa de boa índole, boa conduta, de boas práticas na sociedade futuramente. Pois a criança, quando estiver mais velha, já terá tido experiências quando criança ou adolescente da dor de apanhar e não esqueceu e nem vai esquecer. Por isso ela evitará andar por caminhos que resultem em dores maiores para a sua vida. Por exemplo: ela evitará o caminho das drogas, da corrupção, do furto, da briga, etc. No entanto, são muitos os pais que não batem em seus filhos com a vara, por isso que há tantas mortes prematuras. Crianças de 10, 11 ou 12 anos andam com facas, armas, drogas, fazendo sexo, enfim, levando uma vida que facilmente resultará em morte. São crianças e adolescentes que não foram corrigidos. Eu te desafio a fazer uma pesquisa de quantas crianças, pré-adolescente e adolescente morrem por dia devido ao envolvimento com brigas, drogas, etc. Com certeza você ficará assustado. Agora se o pai não corrige o filho quando é preciso, ele estará criando dentro de casa o futuro ladrão da sociedade, o futuro usuário de drogas, o futuro político corrupto, o futuro assassino da sociedade, etc.

Por que corrigir o filho com a vara? Quarto, porque ele não será vergonha para a família.

Pv 29.15-17: A vara e a disciplina dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma vem a envergonhar a sua mãe. Quando os perversos se multiplicam, multiplicam-se as transgressões, mas os justos verão a ruína deles. Corrige o teu filho, e te dará descanso, dará delícias à tua alma. Você já ouviu algum pai dizendo assim para seu filho: “Filho, você não tem mais jeito, não é? Eu lavo minhas mãos por você. Faça o quiser da sua vida. Eu não digo mais nada.” Com estas palavras, o pai está entregando o filho a si mesmo. O pai nunca teve coragem para corrigi-lo quando seu filho desobedecia, e então resolve abandoná-lo. Mas será mesmo correta esta atitude? O versículo que lemos diz que não. O pai deve disciplina-lo com a vara, caso contrário, o filho sempre fará o que desagrada o pai ou a mãe. Também será motivo de risos, comentários, conversas dos outros a respeito da má criação do filho. Lembre-se que ele nunca deixará de ser seu filho, ele carregará seu nome pelo resto da vida. Por isso, corrija seu filho, para não seres envergonhado futuramente.

Tenho uma pergunta para você que é Pai ou mãe: você quer ter descanso na sua vida no futuro? Então não descanse agora de corrigir seu filho com palavras e com a vara. É tão feio ver um pai já velho que ainda precisa ficar se preocupando, corrigindo, observando o que o filho faz ou deixa de fazer. É muito feio e vergonhoso para o pai, mas, muitas vezes, é a recompensa daqueles pais que não corrigiram seus filhos no momento certo. É a recompensa daqueles pais que, muitas vezes, passaram a mão na cabeça do filho encobrindo seus erros, defendendo o filho quando estava errado.

Quando li estes três versículos, pensei que o versículo 16 estava fora de contexto, mas realmente, não está. Quando o pai não corrige seu filho com a vara, o filho será perverso no futuro e será vergonha para a família além de não dar descanso para os pais.

Por que corrigir o filho com a vara? Quinto, porque sempre há esperança que ele se converta da sua rebeldia.

Pv 19.18: Castiga a teu filho, enquanto há esperança, mas não te excedas a ponto de matá-lo. Não demore em bater com vara no seu filho, pois haverá um tempo na vida dele que não vai mais adiantar, será tarde demais. Imagine você batendo no seu filho já casado. Não vai mais adiantar, ele vai ficar é mais furioso. Há esperança quando ele está na sua casa, quando criança ou adolescente. Este é o tempo de correção. Por isso não desperdice este precioso tempo com seu filho em corrigi-lo, educá-lo e discipliná-lo.

Também, é importante lembrar a outra parte do versículo: “não te excedas a ponto de matá-lo.” Nem o pai, nem a mãe tem o direito de maltratar o filho por qualquer travessura que ele tenha feito. Maltratar ou exceder na correção com vara é pecado dos pais. Isto não é bíblico. O objetivo destes provérbios não é deixar o corpo do filho com marcas das varadas, não, mas é passar sabedoria através das varadas que não fazem marcas, mas que causam dores educativas. Por isso tome cuidado para não bater no seu filho quando estiver com raiva. Esfrie a cabeça. Não perca o controle. Deus não aprova o excesso do castigo. Tenha moderação e sabedoria para educar e corrigir com vara o seu filho.

A pergunta do início era: Bater ou não bater no meu filho com vara? A resposta é: depende. Se for para espancar o filho, não bata, pois é pecado. Mas se for para corrigir, educar e disciplinar com amor nos caminhos do Senhor, bata com vara, pois você estará fazendo um grande bem para seu filho, estando respaldado na Palavra de Deus. Não tenha medo ou fique constrangido ou mesmo fique com pena quando ele chorar, porque você está evitando outros choros no futuro. Lembre-se que a Palavra de Deus é superior às leis humanas, por isso corrija seu filho com vara mesmo que as leis humanas proíbam isto.

Que Deus te abençoe na sua missão de pai e mãe.

A serviço do Mestre

Tibério Bezerra


19 comentários:

  1. Gostei muito das suas colocações Tibério. Que o Senhor te abençoe nesta atividade. Que o nosso Deus dê aos pais o discernimento necessário para agir como Deus quer. A Ele toda a glória!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cleyton! Oremos pelos pais por discernimento espiritual para "agirem como Deus quer"!
      Que Deus te abençoe.

      Excluir
  2. E ao final de tudo, ganhe seu passaporte para a prisão, não é mesmo? Isto é apologia ao crime. Olhe, entendo o objetivo de tudo isso, mas, me diga, QUEM REALMENTE BATE EM SEU FILHO SEM TER RAIVA? ahn? Qual pai ou mãe, que o sr. conhece, que só vá corrigir o seu filho com "vara" na posse de seu perfeito estado mental? NENHUM, quando os pais batem nos filhos eles gritam, xingam, chegam ao limite do stress, por muitas vezes eles descontam suas desgraças nos filhos. Então, não me diga que um pai consegue corrigir um filho dessa maneira, da maneira correta, por quê até hoje, não conheci alguém que fizesse isso. O que eu vejo são pais ignorantes, mau educados e autoritários, que exigem muito respeito e cautela dos filhos, mas não tem o mínimo de civilidade dentro de casa, agem como perfeitas feras à qualquer deslise dos filhos. Passam a fita de humanitários e cidadãos de bem, de fato, até podem ser, mas este espírito tão humanitário é o que eles menos passam para seus filhos, pelo contrário, esses pais ensinam seus filhos a se tornarem no futuro, maus esposos e esposas, pessoas estressadas e prontas a brigar com Deus e o mundo.


    Bom, me desculpe se me estendi, mas essa é a minha opinião acerca do tema. Os educadores (pais), não estão sendo "educadores" estão sendo verdadeiros ditadores, pais incompreensivos e incitadores de rebeldia. Estes pais deveriam ter o senso da responsabilidade que carregam e agir com educação, pois os filhos imitam os pais, e pais educados geram filhos educados que certamente não trarão vergonha à seus pais. Então, PAIS: CRIEM FILHOS QUE NO FUTURO SEJAM PESSOAS CONSCIENTES, POLITIZADAS E EDUCADAS, NÃO PARA QUE SEJAM PESSOAS ORGULHOSAS E MASCARADAS. APRENDAM A ASSUMIR SEUS ERROS E OS ERROS DE SEUS FILHOS E ENTENDER O MOTIVO DESTES ERROS, TENTEM DIRIMIR OS CONFLITOS INTERNOS DE SEUS FILHOS, SEJAM AMIGOS DOS SEUS FILHOS, E ELES SERÃO SEUS AMIGOS. SIGAM A PALAVRA DE DEUS, SEM SE TORNAREM ESCRAVOS DA HIPOCRISIA QUE INUNDA AS IGREJAS.


    QUE DEUS ABENÇOE À TODOS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, obrigado por sua leitura do breve artigo e por suas considerações sobre a minha defesa e até mesmo por expressar sua sincera opinião contrária (espero que mude de opinião depois de minha réplica). Entenda que meu objetivo é levar os leitores do Blog a terem um relacionamento íntimo com Deus por meio de sua Palavra, obedecendo-a em tudo e reconhecendo que ele é o Senhor dos senhores, o único Salvador.

      Respeito sua opinião contrária, apesar de não concordar com ela. Como você mesmo colocou “esta é a minha opinião”, porém não a de Deus. De acordo com a Bíblia, importa que o homem obedeça antes a Deus do que aos homens. Isto não significa que o homem deve ser sempre insubmisso às leis humanas, não, porém quando estas forem contrárias aos ensinos da Palavra de Deus, o cristão com intrepidez deve obedecer primeiro a Deus, mesmo que “ganhe seu passaporte para a prisão”. Por exemplo. Num ato de grande coragem, Pedro e João foram presos porque preferiram contrariar as Leis humanas de sua época. As autoridades proibiram que não falassem de Jesus para ninguém, porém eles responderam: “(...) Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus; pois nós não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos. (...) Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens”.

      Amigo, Deus é o Legislador Último e não a Constituição Brasileira ou a Lei da Palmada (PLC 58/2014). Concordar com esta Lei é aceitar que o mundanismo entre em sua vida, quebrando o mandamento de Deus de “Não se conformar ao estilo de vida deste mundo pecaminoso” (Rm 12.2). Concordar com esta Lei revela quem o homem valoriza mais: a Lei da Palmada criada por homens pecadores egoístas ou a Deus que por amor ao pecador enviou Seu Filho Jesus para morrer na Cruz do Calvário no lugar de homens pecadores egoístas (Jo 3.16). Concordar com esta Lei revela também quem o homem teme mais: o policial que vem prender o pai obediente a Deus ou a Deus que faz perecer no inferno a alma de uma pessoa incrédula em Jesus, que não confia em Jesus com o coração disposto a obedecê-Lo (Mt 10.28).

      Penso que o governo com esta Lei passou dos limites. A família não é para ser regida pelo governo e sim por Deus, pois foi o Senhor quem instituiu a família. Ele é quem diz como as coisas devem proceder dentro do lar. Ele é quem diz quais os papeis dentro do lar. Assim, Deus instituiu o homem como o cabeça do lar. Ele deve liderar sua esposa em amor, ensinando-a a cooperar (submeter-se) com o marido em sua liderança. Também o marido deve ser um bom educador (pai) para seus filhos, ensinando o caminho do Senhor e quando for preciso discipliná-los com um instrumento educativo (ex. vara).

      Quanto à sua acusação “Isto é apologia ao crime”, realmente, ei de concordar com você que estou sendo contra uma lei humana, por outro lado, não estou indo contra o bem estar da sociedade (esta sim deve ser a preocupação do governo e deve fazê-la usando as ferramentas corretas), assim, não considero que seja um crime o que expressei. Por favor, responda-me: “desde quando querer o maior bem da sociedade é crime?” Acho que você não leu bem o meu artigo. Na verdade, apologia ao crime é exatamente ser contra um pai que bate no filho de maneira bíblica, pois a criança crescerá sem um senso de autoridade sobre sua vida, crescerá indisciplinado e será muito mais possível e provável que ele seja um criminoso do que aquele filho que apanhou biblicamente de um pai. Assim, apologia ao crime é pensar contrário ao que foi colocado no texto, além de ser, principalmente, pecado.

      (Continua abaixo...)

      Excluir
    2. Quanto a sua opinião sobre criar os filhos sem disciplina, sem usar a vara para a correção, sem punir os filhos por seus erros com a vara da maneira bíblica, sem dúvidas a Bíblia é contrária. Entendo seu lamento e ira contra os pais que são hipócritas e que batem nos filhos de modo errado, descontrolados. Mas a Bíblia não defende em lugar algum a hipocrisia e a educação errada de um pai, pelo contrário, a Bíblia condena estas más práticas, assim como no texto acima também não defendo a hipocrisia nem a ira pecaminosa de um pai em educar seu filho. Se o seu problema são com os pais que não sabem bater, isto não invalida o conselho da Palavra de Deus que é vida para um filho. Na verdade, estes pais devem entregar suas vidas a Jesus para que sejam controlados pelo Espírito Santo e, assim, disciplinem seus filhos de maneira correta. Mas sua defesa em abolir a vara da disciplina para que os pais insensatos não agridam seus filhos não é uma solução aceitável aos padrões bíblicos. Penso que neste ponto concordamos que queremos uma sociedade melhor, mas discordamos quanto ao meio (o que é crucial para se alcançar um fim).

      Quanto a sua pergunta: “QUEM REALMENTE BATE EM SEU FILHO SEM TER RAIVA? ahn? Qual pai ou mãe, que o sr. conhece, que só vá corrigir o seu filho com "vara" na posse de seu perfeito estado mental?“ O pai pode sim se irar contra o pecado do filho e ainda bater nele de modo que conduza seu filho à vida sem lesionar fisícamente o filho, de modo que bata para o filho sintir dor física, mas sem espancá-lo, sem agressão danosa à saúde do filho (eu conheço pais que batiam, irados, em seus filhos pelos pecados deles, de modo que sitiam dores físicas, mas nunca deixou quaisquer um deles lesionados, ou com ódio do pai, pelo contrário, são filhos bem disciplinados hoje e gratos aos pais que souberam bater biblicamente). A Bíblia ordena que o cristão deve se irar, mas ao mesmo tempo não pecar (Ef 4.26). Ira não necessariamente é sinal de descontrole emocional. Quando o cristão está cheio do Espírito Santo ele consegue ficar irado contro o pecado de um filho e ainda ter controle emocional de modo que esteja apto para bater em seu filho de modo correto, de modo bíblico.

      Pode ser que os exemplos que você conheça sejam de pais que realmente não sabem aplicar a disciplina com a vara no momento certo, com o instrumento correto, com a intensidade correta e no lugar correto na criança e acabam agredindo. É uma pena mesmo! É lamentável! Mas estes maus exemplos não dão o direito ao governo de invadir a privacidade de uma família, criando uma lei como a da Palmada (PLC 58/2014). Concordo que os pais que não sabem bater nos filhos de modo bíblicos devem parar com isto, mas devem aprender a disciplinar biblicamente e depois continuar batendo em seu filho para o bem dele. Para isto é necessário que este pai tenha um encontro salvífico com o Salvador Jesus e assim, aprenda de seus valiosos ensinos.

      Um pai que bate em seu filho biblicamente não é um “ditador”, mas sim um pai cheio de amor por Deus e por seu filho.

      Creia (confie) em Cristo como seu salvador e obedeça-O. Leia a Bíblia interpretando-a corretamente, pois nela mesma encontramos a verdade de que o homem terá a verdadeira vida e liberdade.

      Em Cristo Jesus.

      Excluir
    3. Caro Tiberio, isso é falta de discernimento da palavra. Quando a biblia diz pra corrigir com a vara nao se refere a surras, até mesmo porque a disciplina e admoestacao devem andar juntos. No versiculo que diz: conhecereis a verdade e ela vos libertara, e a verdade é a biblia, ensina teu filho no caminho que deve andar. Se vc diz que corrigir com surra ta na biblia, meu querido va fazer teologia pq vc nao esta interpretando bem a biblia. Se concorda cm surra, entao concorda com as surras q os romanos deram eem Jesus por ele ter pregado o evangelho.

      Excluir
    4. Amigo, obrigado por participar da discussão.

      Penso que você não leu bem a minha defesa. Se com "surra" você quer dizer "espancamento, massacre ou matar o filho", note bem, pois eu não defendo isto em lugar algum. Na verdade, sou contra um pai que não sabe bater no filho de modo bíblico. Sou contra um pai que espanca um filho. Sou contra um pai que descarrega sua raiva no filho. A Bíblia ensina para o pai deve bater na criança, mas não deve se exceder, note o que diz Provérbios 19:18: "Castiga a teu filho, enquanto há esperança, mas não te excedas a ponto de mata-lo." Assim, caro amigo, é claro na Bíblia que Deus aprova e ensina a disciplina física com moderação.

      Quanto à sua acusação de que eu estou interpretando a Bíblia de modo errado, apenas digo que isto não é verdade. Leia as minhas colocações com cuidado e verás que são oriundas de uma interpretação correta. Deus ensina sim que o pai deve bater no filho, não espanca-lo, mas aplicar a vara na medida certa para que o filho compreenda seus erros e ande no caminho correto.

      Também em momento algum eu desassociei a vara da admoestação. Na verdade, creio que haverá momentos que não precisará o pai bater no filho com a vara, mas deve exorta-lo, corrigindo seus erros, ao invés de "passar a mão na cabeça" ou "fazer vista grossa". Mas também haverão momentos em que a admoestação deve sim ser acompanha de uma punição física (novamente, não espancamento). E isto é prova de amor do pai para com seu filho.

      Em Cristo Jesus.

      Excluir
    5. contra fato nao há argumento ,contra palavra de Deus no existem hem hem hem..deixa de besteira...

      Excluir
  3. não
    sei,
    faz pouco tempo que leio a bíblia
    me sinto angústiada todavia quando não consigo interpretar
    corretamente,me sinto vazio
    se me perguntasse se era correto bater nos filhos 1 hora atrás dizia que
    não,porque muitos filhos se tornam amargurados por ter sofrido tantos
    castigos em que as vezes nem era necessário,mas agora eu estou tão
    confusa é a palavra de Deus tenho que segui-la,mas pra mim algumas
    realmente não fazem sentido pra mim e eu sei que estou errada e muito
    errada mas não consigo concordar eu sei o que fala na bíblia sempre é o
    CORRETO,disso não tenho a menor dúvida,mas me sinto tão despreparada pra
    le-la
    eu to mt angustiada por não saber o que pensar
    me responda uma perguntar por favor irmão
    quando um pai sabe que é o momento de bater em um filho em uma
    criança?quando ela faz uma travessura?quando ela briga com uma
    colega?quando ela diz que não para o pai?quando ela não quer tomar
    banho?
    isso São motivos para dar umas palmadas?
    se não,me der alguns exemplos por favor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por participar da discussão.

      Sinto muito por sua ansiedade como demonstrada no seu relato. Lembre-se de Fp 4.6 que nos instrui a sempre em oração lançar sobre o Senhor qualquer tipo de problema, de dúvida, de depressão, de ansiedade. Em oração, também, você encontrará a resposta para a sua pergunta. Somente Deus pode te dizer qual é o momento certo para você disciplinar o seu filho com a vara. Não são todas as vezes que ele faz uma travessura, mas também fazer vista grossa ou passar mão na cabeça da criança é muito perigoso para o filho que crescerá sem nenhuma disciplina de vida. Lembre-se de Pv 29.15: “A vara e a disciplina dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma vem a envergonhar a sua mãe.”

      Irmã, se a Bíblia diz: use a vara, simplesmente use-a sem temor, sem questionar. O que Deus requer de seus filhos é obediência é temor e tremor a Sua Palavra. Como ELE mesmo diz em Isaías 66.2: “Porque a minha mão fez todas estas coisas, e todas vieram a existir, diz o SENHOR, mas o homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra.” O SENHOR cuida daqueles que tem zelo em cumprir a sua Palavra, então, irmã, castigue também seu filho com a vara nos momentos corretos. Estes momentos corretos vão depender de cada filho, de cada situação e, principalmente, da sua comunhão com Deus em oração e obediência da Palavra.

      Um conselho. Veja Pv 13.24: “O que retém a vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo, o disciplina.” Assim, irmã, bata no seu filho (a) o mais cedo possível. Não espere nem mesmo ele completar 1 ano, pois ele já carrega consigo desde o ventre de sua mãe a natureza pecaminosa. Assim, quanto mais cedo (certamente batendo no lugar certo e na proporção certa) é o melhor para o seu filho, para você, para sua família e para a sociedade.
      Qualquer dúvida a mais, fique a vontade para fazê-la. Estou a inteira disposição.

      Que Deus te abençoe.

      Em Cristo Jesus,

      Tibério Bezerra

      Excluir
  4. Famosa frase dos jovens hj: dá nada pra mim. Se der ainda é pouco. Não vêem há uma geração q clama por limites. Eu apanhei e fui levada a reconhecer meu erro. Amo mto meus pais, principalmente por terem me corrigido em tempo oportuno. Hj há uma hipocrisia e filhos nem de longe reconhecem seus pais com temor. Quem dirá a Deus???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por sua participação.
      Quanto mais os pais se distanciam da disciplina bíblica, mais seus filhos se tornarão ingratos, rebeldes e indissolutos.
      A Bíblia nunca apóia o abuso, nem o massacre dos filhos, antes, a boa disciplina baseada numa boa conversa orientadora bíblica e quando necessário a utilização da vara.
      O ponto a respeito da criação de filhos que tenho percebido com minhas duas princesas é a persistência de sempre disciplinar biblicamente quando pecarem. Se o pai se cansar e entregar seus filhos a si mesmos, será a sua grande derrota ou se perder a paciência e partir para o espancamento, é outro gravíssimo problema.
      Equilíbrio e constância são os dois segredos que a Bíblia ensina sobre como criar os filhos que Deus nos deu.
      Que Deus, o Dono dos nossos filhos, nos ajude a cuidarmos bem deles como Ele quer.

      Excluir
  5. Bom, eu quero saber uma coisa, mais nao tem nada a ver com isso, bom o que eu quero saber se "É PECADO O PAI PEGR NAS PARTES INTIMAS DO FILHO" !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, obrigado por sua participação no Blog Aplicações para a Vida.
      Penso que sua pergunta precisa de um contexto mais específico. Se os pais estão cuidando de uma criança que não tem ainda condições de tomar banho sozinha, certamente não seria pecado, pois têm que higienizar as partes íntimas dela.
      Porém, se você está falando de uma criança que já sabe tomar banho sozinha, a pergunta é: pra que os pais querem tocar em suas partes íntimas? Teríamos que saber por qual motivo. Penso que sabendo do motivo, poderíamos dá alguma palavra de juízo.

      Excluir
  6. contra fato nao há argumento ,contra palavra de Deus no existem hem hem hem..deixa de besteira...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, por sua participação.
      A Palavra de Deus é soberana em todos os aspectos da vida. O Deus que cria é o Mesmo que ensina como viver nesta vida da melhor maneira. Quanto mais nos distanciamos dEle, mais sofremos.

      Excluir
  7. Prezado Tibério,
    Há muitas controvérsias sobre isto.
    Há filhos por aí (filhos de crentes e não crentes) que apanharam com vara, fio, cinta,etc. eque só ficaram extremamente revoltados pelo ato de humilhação, pois não venhas com argumentos que isto não terá grande chace de ocorrer, pois ocorre.
    Entendo que quando você fala em bater( o modo que você expressa em bater é a que deixa marca, mesmo não chegando ao espancamento com vara ou sem vara) você "nao educa, você vinga-se"!
    Acho que você, com todo respeito, foi super infeliz quando sugere em bater no filho(quando necessário)o mais cedo possível e de preferência atntes da criança fazer 1 ano de idade!!!!????? O que é isso meu irmão? Tá escrito onde este pensamento na igreja?
    Se você for levar seu filho aso médico nesta idade e ficar constatado o seu excesso de "admoestação", você vai sair direto prá cadeia, cuidado! E não adianta falar no MP que estava cumprindo uma ordem divina, vide o exemplo dos Testemunhas de Jeová que preferem ver o filho morrer do quê fazer a transfusão de sangue (me parece que hoje eles começaram a ver diferente, já era tempo!).
    A bíblia ensina a séculos que "não matarás", mas se você for convocado prá guerra e lá no front sua vida estiver em risco, você se defenderá ou não? É você ou o adversário, e aí como é que fica!
    Entendeu que prá cada tempo há uma possibilidade real de quebra de paradigmas!
    O diálogo ainda é para mim a melhor forma de correção juntamente com a eliminação momentânea da retirada de algum prazer (jogar bola, andar de bicicleta, usar o computador,etc.)fará muito mais efeito (e sem dor e marcas) do quê você bater com uma vara em uma criança de 1 a 11 anos, pois depois já vem a pré-adolescência.
    O ideal é que todas as famílias se convertessem a palavra de Deus aí sim 'poderíamos acreditar" que os pais saberiam aplicar com moderação tal correção, mas aí é querer a utopia, pois seríamos perfeitos ou quase assim, o sacrifício do Senhor Jesus teria sido em vão, pois ele veio para nos livrar do pecado, veio para libertar os pecadores(e todos somos!)portanto a excelência serrá somente no lar celestial, disso eu sei que você sabe!
    Grande abraço,

    Em Cristo,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, agradeço a sua participação no Blog. Seus comentários são de grande valia para a nossa discussão.
      Primeiro, no início você mencionou "ato de humilhação" do pai para com o filho. Quero dizer que em nenhum momento no artigo, afirmo que o pai humilha o filho ao corrigir biblicamente com a vara (e nem defendo isto). Até concordo que humilhar pode causar revolta em pessoas que não sabem quem são, isto é, que não tenham consciência de sua própria identidade. De qualquer forma, no artigo eu não defendo que o pai tem o direito de humilhar o filho. Também tenho que dizer que se o pai corrige biblicamente o filho com a vara, isto não significa humilhação, mas correção para que seu caráter seja aprimorado. Tenho que dizer ainda que corrigir biblicamente com a vara não tem nenhuma relação com humilhação, mas com educação.
      Você também mencionou que bater com vara "não é educar, mas se vingar". Em nenhum momento defendo que o pai deve se vingar do filho, até porque a Bíblia ensina que Deus é o vingador de todos contra sua Glória. Disciplinar biblicamente não tem relação com vingança, mas com educação. O pai tem que ser equilibrado no seu temperamento, caso contrário, vai corrigir com desejos de vingança, o que a Bíblia não apoia.
      Você também mencionou que eu fui "super infeliz". Mas quero que fique bem claro que esta é a sua opinião sobre o que é felicidade. Mas permita-me dizer que quem diz o que é felicidade não é você e nem eu, mas, Deus. Se Deus disse que uma família feliz é aquela onde se corrige o filho com ou sem vara, então, o caminho da felicidade dos filhos e dos pais é na disciplina bíblica. Quanto à idade, é bom lembrar que o homem já nasce no pecado e a voluntariedade de uma criança é manifestada bem cedo. Um pai que tem comunhão com Deus, sabe o plano de Deus para sua família, assim, ele saberá o tempo certo, seja antes de 1 ano ou depois, de corrigir biblicamente o filho com a vara quando preciso. O pai que ama sua família cedo disciplina com a vara. Você perguntou onde está escrito este pensamento, novamente, você não leu Pv 13.24?
      Você falou sobre "excesso de admoestação, você vai direto para a cadeia". Amigo, em nenhum momento defendo o "excesso", se você ler o artigo na íntegra perceberá isto, ou se leu, perceba no final Pv 19.18.
      Quanto à sua menção à cadeia deixe-me dizer que a "Lei da Palmada" já aprovada hoje, proíbe o pai de bater no seu filho de modo que cause qualquer dor. Então a Lei da Palmada é declaradamente anti-bíblica neste sentido, mas há aspectos verdadeiros nesta lei que não é o caso de mencioná-los. Então se qualquer pai se propuser a corrigir seu filho com a vara de maneira bíblica, ele vai direto para a cadeia, pois a Bíblia não apoia o excesso, mas também não desapoia a correção que cause uma dor construtiva (o que é contra na Lei da Palmada). Mas qual é o melhor, seguir a lei Divina ou a lei humana? Deixe-me fazer uma colocação: por que cidades como Fortaleza e Rio de Janeiro são uma das mais perigosas do mundo? Será que é porque os pais corrigiram biblicamente seus filhos desde pequeno quem sabe, se foi preciso, antes mesmo de 1 ano de idade, ou será que é porque os pais estão seguindo as leis de homens que favorece a criminalidade, a corrupção e ao mesmo tempo a impunidade? Você já deve ter ouvido um certo jargão a respeito do Brasil: "O Brasil é o lugar da impunidade." Por que será? Por que estão seguindo a Bíblia ou preceitos de homens?

      (Continua abaixo...)

      Excluir
    2. Continuando, você mencionou que "O diálogo... forma de correção". Eu também concordo que o diálogo é uma forma de correção e menciono isto no meu artigo. Só que é bom salientar, amigo, que não é qualquer tipo de diálogo! O único diálogo de um pai que constrói a vida de um filho é o bíblico. Digo isto, porque certa vez um pai corrigia seu filho em minha frente através do diálogo. Veja o conselho: "Eu não quero filho meu fazendo sexo em Motel ou no meio do mato, filho meu tem que trazer a menina para dentro de casa e levar para seu quarto, pois é mais seguro." A preocupação do pai era com a segurança do filho, porém, naquela conversa de pai para filho, fiquei me perguntando onde está o temor a Deus quando a Bíblia zela pela pureza sexual, o bom testemunho? Também vale corroborar que em muitos momentos o diálogo bíblico deve ser acompanhado da vara bíblica.
      Você também mencionou "fará muito mais efeito". Bem esta é a sua opinião, mas não, a de Deus. A disciplina que traz efeito é o diálogo bíblico junto com a vara bíblica quando necessário.
      Você também mencionou "é querer a utopia". Mas deixe-me citar um versículo: "prossigo para o alvo" (Fp 3.14a). Neste contexto, Paulo reconhecia a sua imperfeição e sabia que, aqui na terra, nunca chegaria a viver sem pecar, porém, ele mesmo buscava o alvo de todo crente aqui na terra de se conformar à imagem gloriosa de Cristo. "Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus." (Fp 3.12) Essa questão de colocar a Santidade de Deus como uma utopia para os filhos de Deus são desculpas para o homem salientar a sua natureza pecaminosa em detrimento do querer de Deus. Mas desconfio muito da conversão de alguém que se diz ser crente e não quer viver a Palavra de Deus.
      No seu último parágrafo, há uma incoerência, você diz: "O ideal é que todas as famílias se convertessem à palavra de Deus", nesta sua frase podemos inferir a conversão genuína de pessoas a Cristo. Assim, se alguém se converteu mesmo, então, Cristo já a salvou, então, porquê você menciona um pouco mais a frente que "o sacrifício do Senhor Jesus teria sido em vão" se ele já foi salvo? Alguém que se converte verdadeiramente procura viver como Paulo, prosseguindo para o alvo, buscando ser parecido com Cristo, não com o desejo de se salvar porque ele já foi salvo por Cristo, também não com o desejo de pagar sua salvação, mas com o desejo de que Deus se agrade, isto é, com o desejo de eterna gratidão pela Boa Mão de Deus em Sua vida.
      Amigo, se você é crente, simplesmente, viva por gratidão a Palavra de Deus em todos os aspectos de sua vida: família, trabalho, amizades, sociedade, etc. sem olhar para o que os outros vão dizer.

      Excluir