domingo, 19 de agosto de 2012

Uma viagem e o sacrifício de seu filho único e amado


Se Deus te ordenasse, você que é pai, você teria coragem de viajar três dias a sós com seu filho para sacrificar a vida dele a Deus? Tem um homem na Bíblia que foi ordenado por Deus para sacrificar o seu filho como uma oferta a Deus. Quem é este? Leiamos Gn 22.1-19

Depois dessas coisas, pôs Deus Abraão à prova e lhe disse: Abraão! Este lhe respondeu: Eis-me aqui! Acrescentou Deus: Toma teu filho, teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; oferece-o ali em holocausto, sobre um dos montes, que eu te mostrarei.
Levantou-se, pois, Abraão de madrugada e, tendo preparado o seu jumento, tomou consigo dois dos seus servos e a Isaque, seu filho; rachou lenha para o holocausto e foi para o lugar que Deus lhe havia indicado. Ao terceiro dia, erguendo Abraão os olhos, viu o lugar de longe.
Então, disse a seus servos: Esperai aqui, com o jumento; eu e o rapaz iremos até lá e, havendo adorado, voltaremos para junto de vós. Tomou Abraão a lenha do holocausto e a colocou sobre Isaque, seu filho; ele, porém, levava nas mãos o fogo e o cutelo. Assim, caminhavam ambos juntos. Quando Isaque disse a Abraão, seu pai: Meu pai! Respondeu Abraão: Eis-me aqui, meu filho! Perguntou-lhe Isaque: Eis o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? Respondeu Abraão: Deus proverá para si, meu filho, o cordeiro para o holocausto; e seguiam ambos juntos. Chegaram ao lugar que Deus lhe havia designado; ali edificou Abraão um altar, sobre ele dispôs a lenha, amarrou Isaque, seu filho, e o deitou no altar, em cima da lenha; e, estendendo a mão, tomou o cutelo para imolar o filho.
Mas do céu lhe bradou o Anjo do SENHOR: Abraão! Abraão! Ele respondeu: Eis-me aqui! Então, lhe disse: Não estendas a mão sobre o rapaz e nada lhe faças; pois agora sei que temes a Deus, porquanto não me negaste o filho, o teu único filho. Tendo Abraão erguido os olhos, viu atrás de si um carneiro preso pelos chifres entre os arbustos; tomou Abraão o carneiro e o ofereceu em holocausto, em lugar de seu filho. E pôs Abraão por nome àquele lugar—O SENHOR Proverá. Daí dizer-se até ao dia de hoje: No monte do SENHOR se proverá.
Então, do céu bradou pela segunda vez o Anjo do SENHOR a Abraão e disse: Jurei, por mim mesmo, diz o SENHOR, porquanto fizeste isso e não me negaste o teu único filho, que deveras te abençoarei e certamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus e como a areia na praia do mar; a tua descendência possuirá a cidade dos seus inimigos, nela serão benditas todas as nações da terra, porquanto obedeceste à minha voz. Então, voltou Abraão aos seus servos, e, juntos, foram para Berseba, onde fixou residência.

Esta é uma das narrativas mais lindas de toda a Bíblia. O nome Abraão significa Pai de uma multidão. Deus havia prometido que a descendência dele seria tão numerosa quanto às estrelas do Céu. Em Gênesis capítulo 21, vemos alguns acontecimentos importantes, quero apresentar dois para termos um melhor entendimento desta linda história. Primeiro, o cumprimento da promessa de um filho. Deus havia prometido um filho para Abraão que seria o primeiro de uma grande multidão. O nascimento do filho aconteceu e a criança foi chamada Isaque. Abraão já tinha 100 anos e Sara 90 anos, imagine o tanto que eles esperaram, imagine a ansiedade deles. Além do cumprimento da promessa, no capítulo 21, é dito que Abraão circuncidou Isaque quando tinha 8 dias de nascimento, conforme Deus havia mandado. A circuncisão significava que Abraão estaria consagrando aquele menino a Deus. Dedicando a Deus aquele menino, mostrando que ele seria de Deus e que Deus faria o que quisesse com ele. Alguns anos se passarão e o menino cresceu. Então começa a narrativa em Gn 22.1-19.

Deus tem chamado muitos homens ao longo de toda a história para realizar alguma determinada missão. Aqui vemos que Abraão respondeu positivamente, ele disse: “eis-me aqui!” Esta expressão, representa a atitude de Abraão em se dispor para os serviços de Deus, mesmo sem saber quais seriam. Ainda Abraão não sabia o motivo do chamado, mas ele já havia colocado seu coração à disposição de Deus. Qual é sua atitude quando você escuta a voz de Deus chamando pelo seu nome? Você se dispõe para servir a Deus? Se você é pai, saiba que Deus te chamou para uma linda missão: a missão de criar seu filho. Qual tem sido a sua resposta? “Eis-me aqui?” Ou: “afasta este menino de mim, Senhor, pois ele é muito danado”; “Eis-me aqui?” Ou, você diz para Deus assim: “Senhor não sabia que era tão difícil criar filhos, arrependo-me, afasta-os de mim.” Quando abandonamos a missão de criar os nossos filhos, não estamos respondendo positivamente ao chamado de Deus, pelo contrário, estamos abandonando o chamado de Deus.

Logo no início da narrativa, vemos uma expressão interessante: “Deus pôs Abraão à prova”. Esta expressão não significa que Deus tentou Abraão para pecar, cair em uma tentação, não, pois Deus a ninguém tenta. A palavra prova significa que Deus estava preparando um teste para a fé de Abraão. Vamos exemplificar da seguinte maneira: O professor de matemática dá uma aula para seus alunos e aplica um teste (prova). Você sabe qual é a finalidade da prova? A finalidade é para que os próprios alunos percebam o que aprenderam da matéria ou deixaram de aprender. Com isso, o professor está ajudando os alunos na longa caminhada do aprendizado. Imagine se ele não fizesse uma prova, os alunos sempre iriam passar de ano, sem saberem realmente onde estão aprendendo e onde estão precisando de reforço. Semelhantemente, Deus estava preparando uma prova para a vida de Abraão, um teste de fidelidade de Abraão para com seu Deus. Abraão saberá se ele é ou não fiel a Deus, depois que o teste acabar! Isto nos lembra do teste de fidelidade de José no Egito. Depois que o teste acabou, José viu que estava sendo fiel a Deus. Hoje, Deus também aplica testes de fidelidade em nossas vidas. Quais têm sido os seus resultados? Você tem tirado nota baixa ou nota dez? Quais têm sido os seus resultados como pai?

Abraão só tinha um filho e tinha por ele grande apreço, grande amor, ora, era o filho da sua velhice! Havia esperado muito tempo para que ele chegasse a nascer. Imagine você passar 100 anos esperando um filho... agora imagine o amor, o carinho, o cuidado, o apego que você teria por ele. A narrativa nos diz que Abraão amava seu filho Isaque e que Deus estava convocando-o para fazer uma viagem à terra de Moriá com o propósito de sacrificar Isaque num altar. Deus propôs duas coisas para Abraão: uma viagem e o sacrifício de seu filho amado e único. Que dura missão, não é verdade? Que teste!

A palavra holocausto fala de um sacrifício onde a oferta era queimada em cima de um altar e o ofertante dedicava aquela oferta a Deus como uma forma de adoração. Isto quer dizer que Deus queria que Abraão adorasse ao seu Deus com o sacrifício de seu filho único e amado. Naquele momento, penso que Abraão se lembrou da cerimônia de circuncisão do filho e do significado da circuncisão. A circuncisão significava a consagração do menino a Deus. Isto representava que Deus poderia fazer o que quisesse com Isaque, até sacrificá-lo! E foi exatamente o que Deus mandou Abraão fazer. A circuncisão representava que, de certa forma, aquele filho não seria mais de Abraão e Sara e sim de Deus. Você teria coragem de fazer o que Abraão estava para fazer?

A realidade é que quando estudamos a vida de Abraão como pai, observamos que Abraão amava tanto a seu filho que não via maior prova de amor por Isaque do que fazer exatamente o que Deus queria com a vida dele. Pois Abraão tinha fé (reconhecia) que Deus sempre quereria o melhor para seu filho Isaque. Se para Deus, sacrificar fosse o melhor para Isaque, ele estaria disposto a fazê-lo porque Abraão amava a seu filho e isto seria o melhor para ele. Que aprendizado Abraão estava passando: confiando no seu Deus que faria o melhor para o seu filho único e amado!

É assim também com os nossos filhos. Precisamos colocá-los no altar de Deus. Você que é pai, você já consagrou os seus filhos a Deus? Você já os colocou no altar de Deus? Consagrar os filhos a Deus é uma prova de amor a Deus, primeiramente, e também aos nossos filhos. Você quer o melhor para seus filhos? Então os coloque no altar de Deus. Pense nisto: o que você acha que é o melhor para os seus filhos? O melhor para eles é entregá-los, oferecê-los, consagrá-los nas mãos de Deus e confiar que Deus fará o melhor para eles. Isto nos ensina que, nós pais, amamos os nossos filhos quando os colocamos no altar de Deus.

Como colocar os nossos filhos no altar de Deus? Podemos começar com a pregação do Evangelho da salvação para eles, leva-los a um encontro com Deus. Era isto que Abraão estava para fazer: apresentar o seu Deus para Isaque. Também colocamos os nossos filhos no altar de Deus, quando ensinamos, instruímos, admoestamos, corrigimos seus pecados segundo a Palavra de Deus. Você tem colocado seus filhos no altar de Deus? Dediquem seus filhos a Deus.

Abraão recebeu as instruções de Deus, agora tem um firme propósito na cabeça: viajar até o monte Moriá com seu filho único e amado para oferecê-lo a Deus como holocausto num altar. Ele cria que fazer isto seria o melhor para Isaque.

A viagem começou. Observe o preparo de Abraão para a viagem mais importante de sua vida. Primeiro, veja a disposição dele! Abraão se levantou bem cedo, de madrugada, e fez todos os preparativos necessários. Ele pegou um jumento, convocou dois servos, rachou a lenha para queimar seu filho depois que cortasse o pescoço de Isaque para derramar o sangue e, lógico, pegou a oferta que colocaria no altar de Deus: seu único e amado filho Isaque.

A viagem não era curta, era longa, durou três dias e mais algumas horas a pé. Imagine você que é pai, viajar do lado do seu filho único e amado durante tanto tempo sabendo que o propósito da viagem é o sacrifício do seu filho. O que lhe motivaria para fazer isto? O maior motivo é a obediência a Deus! Segundo, querer o melhor para seu filho.

Esta viagem teve dois momentos. O primeiro momento foi até um local que dava para avistar o monte Moriá ao longe. A caravana estava com quatro pessoas: Abraão, seus dois servos e Isaque. A partir dali, começou o outro momento: somente Isaque e Abraão. Isto é muito importante observar, porque vemos a preocupação de Abraão em ter momentos a sós com seu filho Isaque. Daquele ponto em diante, Abraão provavelmente deve ter conversado com seu filho a respeito do Deus a quem ele servia. Imaginemos a conversa: “Isaque meu filho, o Deus a quem eu sirvo é o único Deus, ele nos ama, ele quer o maior bem para minha vida e para sua também. Ah! Ele me deu a missão de oferecer sua vida em holocausto e é isto que estamos indo fazer.” Abraão estava mostrando o seu exemplo de fidelidade e confiança em Deus para seu filho Isaque durante aquele momento a sós.

Os filhos aprendem com os exemplos dos pais. Eles querem que os pais ensinem tudo para eles. Os pais são os grandes professores dos filhos. A Bíblia ensina que os pais devem ensinar a Palavra de Deus “assentados em casa, andando pelo caminho, quando for dormir e quando se levantar” (Dt 6.7), era isto que Abraão estava fazendo – ensinando os valores, os princípios de Deus para Isaque naquela longa caminhada. Quantas vezes nós fazemos questão de ficar a sós com os nossos filhos para conversar com eles, brincar com eles, ensinar a palavra de Deus para eles, mostrar o nosso exemplo de bons pais para eles? Quantas vezes você já fez isto com seu filho? Isto deve ser feito regularmente. Procure ficar a sós com o seu filho para terem momentos de ensino e aprendizagem.

Quero destacar também o tamanho da fé de Abraão! Ele cria que voltaria junto com seu filho Isaque para o local onde os servos estariam esperando. Sobre isto, pensemos um pouco: como Abraão voltaria junto com seu filho Isaque, uma vez que ele estaria indo para sacrificá-lo? Será que Abraão estava planejando fugir da missão que Deus tinha dado? Amado leitor, Abraão não pensava em fugir da grande missão, não, Abraão cria que Deus era poderoso para até mesmo ressuscitar seu filho dentre os mortos, conforme é mencionado em Hb 11.17-19: “Pela fé, Abraão, quando posto à prova, ofereceu Isaque; estava mesmo para sacrificar o seu unigênito aquele que acolheu alegremente as promessas, a quem se tinha dito: Em Isaque será chamada a tua descendência; porque considerou que Deus era poderoso até para ressuscitá-lo dentre os mortos, de onde também, figuradamente, o recobrou.

Quando Abraão disse para seus servos esperarem porque voltariam juntos, Isaque estava atento ao que seu pai estava dizendo. Com isto, podemos crer que Abraão estava ensinando para o filho o tamanho da sua fé. Agora eu te pergunto: quando seu filho olha para sua fé, o que ele vê? Será que enxerga um homem cheio de fé como Abraão? Abraão nos ensina, a nós que somos pais, a sermos exemplo de fé dentro de nossas casas para que nossos filhos sejam contagiados, induzidos a serem cheios de fé também. Por exemplo: quando a situação financeira dentro de sua casa não é tão boa, qual é a atitude que seu filho vê em você? A de um homem descontrolado que briga com Deus, com a mulher e com os filhos? Ou a atitude de um homem paciente, cheio de fé que confia em Deus, crendo que a situação vai melhorar?

Quero também destacar a cosmovisão de Abraão, isto justifica porque ele estava pronto para sacrificar seu próprio filho. Cosmovisão é como você enxerga o mundo e vive. Abraão via tudo como um motivo para adorar a Deus: “havendo adorado, voltaremos”. Abraão estava para colocar Isaque num altar e tirar a vida dele e depois queimá-lo todinho como uma forma de adoração a Deus. Será que isto é adoração? De fato é, porque adoração começa com obediência. Antes de sacrificar seu filho, Abraão já estava adorando a Deus com sua obediência. Aqui também aprendemos qual é um dos grandes deveres de todo pai: ensinar seu filho a adorar a Deus com a obediência. É preciso ensinar que antes de oferecermos algum louvor ou oferecer alguma oferta, por exemplo, é preciso que nós obedeçamos a Deus conforme os seus ensinamentos na Palavra de Deus. A criança não nasce sabendo desta verdade, seu filho espera por você. O que você tem feito? A obediência de Abraão nos ensina que precisamos colocar os nossos filhos no altar de Deus para Deus fazer o quer com ele. A realidade é que nós somos muito egoístas, nunca saberemos melhor do que Deus, o que é o melhor para nossos filhos. Deus é quem sabe o que é melhor para eles, então, dedique, consagre seu filho a Deus, como Abraão estava para fazer, porque isso é obedecer. Deus quer consagremos os nossos filhos no altar dEle.

Abraão ensina outro princípio para Isaque. Note que o pai envolveu o filho amado e único neste sacrifício de forma bem dramática. Ele deu ao seu filho a responsabilidade de levar a lenha que iria queimá-lo. Abraão podia tentar levar tudo sozinho, mas Abraão não queria perder a oportunidade de ensinar mais um princípio para a vida de Isaque: a divisão de tarefas: “você leva isto que eu levo aquilo.” Na vida, os pais precisam ensinar para os filhos o que é o trabalho. Não é bom dar tudo nas mãos sem que eles sintam nenhum esforço. Não crie seu filho sem ele fazer nada em casa, sem ele te ajudar. Na família de Abraão não era apenas o pai e a mãe que trabalhavam, não, Isaque também tinha suas responsabilidades a medida de suas forças. Quando criamos nossos filhos sem responsabilidades, eles irão ter dificuldades no futuro em serem responsáveis.

Avançando na história, vemos um dos diálogos mais emocionantes de toda a Bíblia, a pequena conversa entre Abraão e Isaque. Isaque chama por seu pai porque tem dúvidas. Abraão não o despreza, mas se dispõe a ouvi-lo, ele diz: “Eis-me aqui, meu filho.” É como se ele estivesse dizendo: “estou a sua disposição para te ouvir, meu filho, prossiga”. O diálogo, a conversa entre pais e filhos, é muito importante. É a maneira como nascem as amizades. Se você quer que seu filho seja seu amigo, então converse com ele. Não diga não! Não despreze as perguntas de seu filho. Não há perguntas bobas, na verdade, há ações bobas. E muitas das ações são bobas porque em momentos na vida, o pai considerou as perguntas de seus filhos bobas. A pergunta de Isaque poderia parecer boba para Abraão, mas para Isaque ainda era uma dúvida. Nesta viagem, Abraão estava se tornando um grande amigo de Isaque, aproximando o laço entre eles. E como é bom quando nossos filhos veem em nós um referencial para conversar, “se abrir”. Você quer conquistar seu filho, pois comece desde cedo a conversar com ele sobre tudo: sexo, drogas, amizades, futuro, etc. A resposta de Abraão, “Deus proverá para si, meu filho, o cordeiro para o holocausto”, mostrou mais uma vez para Isaque que seu pai era cheio de fé em Deus, cheio de esperança. Realmente, Abraão queria impactar a vida de Isaque com o seu exemplo de fé. Penso que Isaque via em seu pai um homem temente a Deus, cheio de fé e que amava a Deus de todo coração, de toda alma e de todas as forças. O que seu filho enxerga em você?

Depois de tanta conversa entre Abraão e Isaque, tantos ensinamentos de Pai para filho, tantos princípios ensinados e apreendidos, notamos que a espiritualidade de Isaque se assemelhava a de seu pai em meados da história. Abraão realmente soube influenciar seu filho para agradar a Deus. Como saber isto? Perceba, que no momento do sacrifício não há nenhum relato de choros, gritos, frases como “eu não quero participar disto, papai”, “Tira-me daqui, papai!”, etc. Pelo contrário, você ver o silêncio de Isaque como um indício de ele também tinha a mesma fé de Abraão, confiava em Deus e estava conformado com a vontade do Senhor. Isaque não era um bebê ou uma criança de 3 ou 4 anos, não, então, ele poderia ter fugido, contrariado seu pai, resistido, porém não foi isso que aconteceu. Realmente, Abraão foi um exemplar pai que soube influenciar seu filho para a vontade de Deus, pois Abraão poderia ter amedrontado Isaque por toda aquela cerimônia de holocausto, assustado seu filho, feito o seu filho ficar com raiva de Deus, etc. Mas vemos o silêncio de Isaque como indício de um espírito de contentamento na vontade de Deus. E nisto tudo, Isaque aprendeu a amar a Deus, assim como Abraão O amava. Se fosse você, será que seu filho aprenderia em você a amar a este Deus que mandou sacrificar seu próprio filho único e amado, ou ele aprenderia a ficar com medo deste Deus que manda matar pessoas?

Qual foi a prova mais difícil que você já fez e que o resultado foi nota 10? Qual foi a sua reação? Provavelmente foi uma reação de grande alegria em saber que havia sido aprovado. Não posso medir o tamanho da alegria de Abraão quando soube que o teste havia acabado mesmo na hora que estava com a mão levantada com o cutelo para derramar o sangue de seu filho e melhor, quando soube que havia sido aprovado por Deus. Com certeza, se o teste tivesse acabado depois que ele descesse o cutelo na garganta de Isaque, sua alegria teria sido a mesma, porque ele estava ali para agradar a Deus na missão que Deus havia lhe dado de consagrar seu filho a Deus.

A missão de um pai também vai acabar. No final desta missão, será que você alcançará a aprovação de Deus? Lembre-se que se você criar seus filhos para agradar a Deus, você será aprovado por Deus. Este é o grande teste de um pai cristão: consagrar os nossos filhos no altar de Deus. Isto nós aprendemos com Abraão.

No final da história, aprendemos que quando somos fiéis a Deus na nossa missão de pai, Deus nos recompensará. Muitas bênçãos, Deus prometeu para Abraão e sua geração, semelhantemente, nossos filhos desfrutarão de muitas bênçãos por causa da nossa obediência a Deus. Por isso, sejam obedientes a Deus, sendo pais exemplares, como Abraão foi. Coloquem seus filhos no altar de Deus e reconheçam (tenham fé) que o melhor para nossos filhos se encontra apenas na vontade de Deus, mesmo que seja a morte deles.

Que Deus te abençoe!

A Serviço do Mestre

Tibério Bezerra


Nenhum comentário:

Postar um comentário