quarta-feira, 27 de novembro de 2013

2 Batalhas, 2 Vitórias e 4 Lições sobre Davi

No livro de I Samuel, Saul persegue Davi incessantemente, mas sem sucesso, chegando a se matar depois de profunda depressão. O que você acha que Davi fez quando soube da notícia? Davi se alegrou? Na verdade, ele pranteou (lamentou, chorou com profunda tristeza no coração). Ele era poeta, e chegou a compor um hino demonstrando seu lamento pelo rei Saul. O interessante é que poderíamos pensar que as perseguições contra Davi se acabaram, mas Saul tinha um comandante no seu exército que não se agradava de Davi também, seu nome era Abner. Depois da morte de Saul, ele continuou suas perseguições contra o ungido do SENHOR. Mas igualmente a Saul, ele não teve sucesso, e, cada vez mais, o exército de Davi se fortalecia. Davi também tinha um comandante chamado Joabe, mas este o traiu em certo momento e assassinou Abner. Quando Davi soube da notícia, ele também teve a mesma reação de quando soube da morte de Saul, ele pranteou e compôs outra poesia lamentando e ainda jejuou por um tempo demonstrando sua contrição pelo fato.

Depois de pouco tempo, trouxeram outra notícia a Davi. O filho de Saul, Isbosete, que ficou no lugar de Saul como rei de Israel e que perseguia a Davi também, foi morto e levaram a até a cabeça dele para Davi. Os noticiantes achando que iriam alegrar o coração de Davi, na verdade, o enfureceu. Ele, então, para fazer justiça mandou matar a vida daqueles que o matara. O reino ainda não havia sido unificado, pois as tribos do Norte eram comandadas por Isbosete e Abner e o Sul, Judá, era governado por Davi. Mas depois da morte de Isbosete e Abner, o povo, vendo o tamanho do coração de Davi, se juntou a ele unificando assim o reino e tornando-o mais forte.

A partir deste ponto, Davi constituiu a base de guerra do seu reino em Jerusalém que ficava no alto do Monte Sião. Para fixar-se lá, antes, teve que enfrentar os jebuseus, moradores da terra, numa pequena batalha que veio a sair vitorioso. Ele usou Jerusalém porque era um lugar estratégico, também, interessante, pois Jerusalém ficava na divisa entre o território de Judá e de Israel. Depois de estabelecido em Jerusalém, mas ainda recente, ele enfrentou a primeira guerra depois que Israel fora unificado e subido para Jerusalém. Esta guerra foi contra os filisteus. Está escrito em II Sm 5.17-25:

Ouvindo, pois, os filisteus que Davi fora ungido rei sobre Israel,
subiram todos para prender a Davi;
ouvindo-o, desceu Davi à fortaleza.
Mas vieram os filisteus e se estenderam pelo vale dos Refains.
Davi consultou ao SENHOR, dizendo:
Subirei contra os filisteus? Entregar-mos-ás nas mãos?
Respondeu-lhe o SENHOR:
Sobe, porque, certamente, entregarei os filisteus nas tuas mãos.
Então, veio Davi a Baal-Perazim e os derrotou ali;
e disse:
Rompeu o SENHOR as fileiras inimigas diante de mim, como quem rompe águas.
Por isso, chamou o nome daquele lugar Baal-Perazim.
Os filisteus deixaram lá os seus ídolos;
e Davi e os seus homens os levaram.

Os filisteus tornaram a subir e se estenderam pelo vale dos Refains.
Davi consultou ao SENHOR,
e este lhe respondeu:
Não subirás;
rodeia por detrás deles e ataca-os por defronte das amoreiras.
E há de ser que, ouvindo tu um estrondo de marcha pelas copas das amoreiras,
então, te apressarás:
é o SENHOR que saiu diante de ti, a ferir o arraial dos filisteus.
Fez Davi como o SENHOR lhe ordenara;
e feriu os filisteus desde Geba até chegar a Gezer.

Davi tinha uma missão específica de livrar o povo de Deus das mãos dos Filisteus (II Sm 3.18). Deus providenciou o momento certo para ele cumprir tal propósito. A fama de Davi, de um homem forte em guerras, corria e os filisteus ficaram sabendo do acontecido de que Davi se tornara rei sobre Israel. Por isto os filisteus foram atrás de prender o homem que no passado havia derrotado um dos seus melhores homens, Golias, e que também tinha a fama de ser desbravador nas batalhas, chegando a matar dez milhares dos filisteus, enquanto que Saul apenas milhares. Os filisteus devem ter pensado: “ora se Davi quando não era rei tinha tanta força, o que acontecerá agora que ele é rei de Israel?” Assim, eles queriam tentar impedir o crescimento de Davi logo no início do seu reinado. Eles pensaram: “se tivemos sucesso contra Saul, então, poderemos derrotar Davi.” O detalhe que eles esqueceram é que Davi tinha a presença de Deus com ele, ao passo que Saul, por conta de sua desobediência, tinha perdido o Auxílio. O texto bíblico revela o segredo do sucesso de Davi: “porque o SENHOR, Deus dos Exércitos, era com ele” (II Sm 5.10).

Nas duas batalhas, os filisteus se organizavam com a mesma estratégia: se estenderam pelo vale dos Refains. Era um vale que ficava em baixo do Monte Sião, onde Jerusalém estava sendo organizada por Davi como sua base. Esta cidade trazia vantagens militares para Jerusalém, pois é mais fácil ter uma defesa estando na parte de cima do que na parte de baixo. Na primeira batalha, eles perderam os seus ídolos e Davi os levou. Era comum os povos daquela época quando iam lutar levarem os seus deuses para o campo de batalha com a esperança de que trouxessem sorte. Mas não foi desta vez que aqueles falsos deuses trouxeram sorte para os filisteus. Eles não desistiram, e tentaram uma segunda batalha para reaver o que tinham perdido, mas também sem sucesso.
Do relato, podemos aprender 4 lições sobre a vida de Davi e também compreender o porquê Davi era um homem segundo o coração de Deus.
I. Era um homem que consultava ao SENHOR
Ele ficou sabendo que os filisteus vinham para a batalha e imediatamente foi para a sua base organizar o exército. Ele já estava pronto para lutar, é possível que já tivesse esquematizado algumas estratégias, pois era um guerreiro prudente. Todo o seu exército já estava no gatilho para entrar em ação, seria a primeira batalha depois que Davi se estabeleceu em Jerusalém como a capital. Seria a primeira batalha mais intensa e mais difícil depois que Judá e Israel foram unificados. É possível que seu coração estivesse ansioso para guerrear, pois seu exército estava numeroso e certamente em termo de quantidade tinha mais vantagens. Mas o que ele fez antes? ELE CONSULTOU AO SENHOR.

Certamente, Davi conhecia o seu dever. Ele foi escolhido para lutar contra os filisteus (II Sm 3.18). Mas um homem segundo o coração de Deus tem prazer em que seu Deus vá a frente a cada passo seu. Ele não tem prazer em andar sozinho. Ele não tem prazer em buscar glória pra si, mas seu fim é que toda a glória seja dada a Deus. Davi queria que os filisteus soubessem quem era o SENHOR, o Deus verdadeiro e Todo-Poderoso. Por isso, Davi não saiu sem falar com o Senhor.

Quando estamos doentes, de quê nós precisamos? De uma consulta, precisamos de médico p/ consultarmos. Paulo exorta a Timóteo que antes de tudo se faça orações (I Tm 2.1). Coloquemos todos os nossos caminhos, propósitos diante do SENHOR. Pv 3.6 diz “Em tudo quanto for fazer, lembre-se de colocar Deus em primeiro lugar. Ele guiará os seus passos e você andará pelo caminho do sucesso.” (Bíblia Viva).

Não seremos um homem ou uma mulher segundo o coração de Deus se fizermos uma divisão em nossa vida: “Nesta área, quem manda sou eu. Naquela outra, é o SENHOR.” Uma pessoa segundo o coração de Deus, O coloca sempre em primeiro lugar em todas as áreas da vida, ela consulta ao SENHOR, ela abre seu coração diante do SENHOR. O desafio para nossas vidas é: buscar ao SENHOR de todo o coração, veja (I Cr 28.9; Pv 16.3; Fp 4.6; Tg 1.5-6). Quando você tiver alguma decisão para tomar, o que tem que fazer? Consultar o Senhor.

Quando desenvolvermos esta prática de consultar o SENHOR, seremos menos precipitados. O mundo nos ensina que temos que resolver as coisas o mais rápido possível, que não precisamos pensar para agir, que não precisamos de Deus para proceder. Se fizermos isto, realmente pensaremos, só que para lamentar depois de termos agido errado: “Realmente não era para eu ter feito assim! Bem que eu queria voltar atrás e pedir a orientação do SENHOR...” Só que aí será tarde demais, já aconteceu.

Quando desenvolvemos esta prática de consultar, seremos mais íntimos do Senhor. Desenvolveremos a nossa comunhão com o Senhor. Quando Jesus morreu, o véu do Santuário foi rasgado indicando que o cristão tem livre acesso a Deus. Assim, podemos chegar ao trono da graça. Ele sofreu, foi tentado nas mesmas tentações que passamos e é poderoso para nos socorrer. Basta nós consultarmos ao SENHOR que ele inclinará seus graciosos ouvidos. Quais são os problemas que você tem passado em sua vida? Consulte ao Senhor. Quais os desafios que você tem pela frente? Consulte ao Senhor. Quais os desejos do seu coração? Consulte ao Senhor em busca da sua vontade, pois a resposta certa vem de seus lábios.
II. Davi era um homem que confiava na sua Palavra e obedecia
Se vamos ao médico, fazemos o primeiro passo. Mas se não fazemos o que médico mandou, servirá de alguma coisa a nossa ida até ele? Davi foi um exemplo de um homem segundo o coração de Deus porque obedecia a Palavra de Deus de coração, com alegria. O legalismo estava longe do seu coração. Mas ele encontrava prazer em praticar a Palavra de Deus. Ele queria se satisfazer na sua Palavra. O Salmo 19 foi escrito por Davi e é evidente o valor sobre-excelente que ele dá à Palavra.

No texto, em II Sm 5.25a, é dito: Fez como o SENHOR ordenara. Quem confia, obedece. Se não obedecemos, é porque não confiamos nele. Toda ordem do Senhor é o melhor para nossas vidas, mas quando desobedecemos a sua Palavra, estamos dizendo de coração que aquilo realmente não é o melhor para nossas vidas e sim o que fazemos. Precisamos fazer simplesmente como o SENHOR ordena e nos alegrarmos em obedecê-lo. Aqui é o centro do cristianismo: OBEDECER AO SENHOR ALEGREMENTE, veja Jo 14.23-14; I Sm 15.22; Dt 6.6.

Algo interessante a se notar é que quando Davi era perseguido por Saul, ele se refugiou em território filisteu e fez amizades entre os filisteus, principalmente, com o rei Aquis que confiava em Davi. Assim, pode ser que Davi quisesse no seu coração fazer algum tratado de paz ao invés de guerrear contra aqueles que lhe protegeram em momentos difíceis de sua vida. Mas o SENHOR disse: “Não! Suba e destrua-os.” Davi, certamente, obedeceu ao Senhor ao invés de obedecer a qualquer outra pessoa, ou ao seu próprio coração. A Palavra de Deus bastava para Davi, ele não titubeou, ele não arranjou desculpas, ele contra argumentou com Deus para proteger aqueles que o protegeram. Isto nos lembra de Abraão quando estava pronto para sacrificar seu filho Isaque porque queria obedecer a Deus em primeiro lugar. Também nos lembra de Pedro e João depois de receberem a ordem de não falarem no nome de Jesus senão seriam presos novamente, mas eles obedeceram a Deus e disseram aos soldados: importa obedecer a Deus primeiramente.

Há um grande contraste na vida do rei Saul e do rei Davi. O rei Saul não tinha seu coração voltado para Deus, enquanto Davi estava voltado para Deus de todo o coração. Saul foi marcado pela sua desobediência e rebeldia contra Deus, enquanto que Davi é lembra como um homem segundo o coração de Deus, um rei que tinha em seu coração a alegria de obedecer ao SENHOR.
III. Davi era um homem que adorava ao SENHOR
Certa vez minha irmã mais nova entrou em profunda depressão durante alguns meses abalando toda a família. Ela chegou a não querer comer de jeito nenhum e tivemos que leva-la várias vezes para tomar soro e vitamina na veia. Foi um tempo muito difícil para ela e para a família. Sofremos muito. Minha mãe procurou um médico. Ele com toda a atenção foi a nossa casa algumas vezes e quando a situação ficava difícil, íamos à casa dele, chegamos a ligar em horários noturnos, etc. Mas ele sempre estava atento e pronto para consultar. Naquele momento delicado de nossas vidas, ele estava sensível e não nos abandonou. Graças a Deus, minha irmã ficou curada daquela depressão. O choro da família acabou. Sabe o que minha mãe fez? Ela comprou um CD de um grupo evangélico, escreveu uma bela mensagem cristã e foi presentear o médico em sua casa. Vi em minha mãe um coração cheio de gratidão, de reconhecimento e de louvor àquele médico.

Davi, consultou ao SENHOR, confiou em sua Palavra e Deus deu a vitória. Ele poderia ter parado por ali. Mas ele parou e pensou: “Nossa! Eu consultei ao Senhor e ele me respondeu! Eu confiei em sua Palavra e ele me deu a VITÓRIA! Que meus lábios para todo sempre louve ao SENHOR por seus benefícios em minha vida.”

Davi reconheceu que toda a sua vitória era devida ao SENHOR. Reconheceu que se não fosse o Senhor, ele seria derrota. O que seria de Davi se não fosse o SENHOR?! O louvor é uma expressão da nossa gratidão pelo que Deus faz em nossa vida tão graciosamente. Assim, amados, sempre temos motivos para louvar a Deus, pois ele sempre age em prol de nós. Simplesmente, Ele morreu horrendamente na Cruz do calvário para nos salvar. Então, louve-o com alegria e dê glórias somente a ele. Reconheça a sua glória (Sl 115.1).

Davi tinha tanta convicção que aquela vitória foi tão-somente do Senhor, que ele chamou o lugar de Baal-Perazim, que significa o “Senhor dos rompimentos”. Seu grande intuito com isto é que todas as gerações de Israel soubessem no futuro que foi o SENHOR que rompeu com os inimigos dando a vitória. Davi tinha o intuito de que todos viessem a se lembrar de tão grande salvação dada pelo SENHOR.

Os livramentos da nossa vida são operados pela mão do SENHOR, então, louve-o. Se não o louvamos parece que temos um coração bastante egocêntrico onde achamos que Deus tem a obrigação de agir por nós. Se não chegamos com nossa vida diante do altar de Deus para adorá-lo a todo instante, parece que nos achamos mais do que merecedores de recebemos algo de Deus. Mas um coração humilde reconhece que nada merece de Deus, por isso, o louva constantemente em sua vida, pelos seus inúmeros feitos.

Assim, precisamos reconhecer que Deus é quem age sozinho em nossa salvação. Por isso toda glória seja dada a ele por nossa salvação em Cristo Jesus. O nosso louvor ao Senhor sempre e sempre e sempre terá motivos para ser extremamente alegre e cheio de gratidão. Mesmo que o Senhor não fizesse nada por nós, mesmo assim, ele seria merecedor de receber todo o nosso louvor, pois ele é o único digno, o único Rei, o único Deus. Assim, com os talentos que Deus nos dá, louve a Ele.

Lembre-se que não há como adorarmos ao Senhor sem antes obedecê-lo. Davi era um homem segundo o coração de Deus porque consultava ao Senhor, confiava e obedecia a sua Palavra e louvava-o por quem Deus é.
IV. Davi foi estimulado pela graça do SENHOR para agir
O interessante é que na segunda batalha, o Senhor dá uma ordem diferente. Ao invés de atacarem pela frente como foi na primeira vez, eles deveriam arrodear os inimigos e ficar por trás pronto para a batalha. Então quando ouvissem um som estrondoso, deveriam agir por trás. Aquele som estrondoso significaria que o Senhor tinha iniciado a batalha contra os inimigos destruindo-os. Naquela batalha, o Senhor agiu milagrosamente matando muitos filisteus. Poderíamos dizer que Deus deixou somente o “resto” para Davi destruir. O SENHOR quis honrar o louvor que Davi deu a Ele lhe dando uma vitória fácil na segunda batalha.

Mas o interessante é que mesmo assim, Davi deveria agir por trás do inimigo. Davi deveria aproveitar a graça de Deus em sua vida e servir ao Senhor naquela batalha, mesmo sendo matando pouquíssimos filisteus. Assim, aprendemos que a graça de Deus deve estimular os nossos esforços. Certamente, tudo que fazemos para o Senhor é por conta da sua graça. Não fazemos nada para o Senhor sem a ajuda dele, precisamos dele para agradarmos a ele. Se não fosse o Senhor, seria impossível, nós, com nossas miseráveis obras, agradarmos ao Senhor. Precisamos que ele nos aponte o caminho certo, a maneira certa, o propósito correto, a motivação devida para com as nossas obras agradarmos ao Senhor. Se pararmos para pensar realmente, no fim, quem realmente faz quase todas as nossas obras é o próprio Senhor com a sua graça abundante em nossas vidas. Pense por exemplo em um engenheiro civil que constrói casas para a glória de Deus. Pergunto: quem fez ele nascer? Quem colocou pais em sua vida que o educou? Quem deu todo alimento? Quem deu uma casa para descansar? Quem deu sua inteligência? Quem criou a noção de reta para ele desenhar? Quem criou os números para ele calcular? Quem faz a matemática ser exata para que suas casas sejam bem simétricas? Quem criou a matéria prima de todos os materiais que serão utilizados na construção da casa (o ferro, o barro, a areia, a água, o ar)? Etc. Na verdade, não precisamos continuar. Mas o que mesmo aquele engenheiro civil tem que não foi dado? Mesmo Deus fazendo quase toda as nossas obras, precisamos agir de onde Deus parou porque quis nos dá a responsabilidade e o privilégio de participarmos de sua obra.

Paulo em Fp 2.13 diz que o Senhor é quem efetua em nós tanto o querer quando o realizar, mas com isto ele não estava ensinando a preguiça ou o cruzar os braços. No verso 14, ele ordena que os filipenses fizessem tudo sem murmurações mesmo depois de escutarem que realmente é Deus que age em nossas vidas. Assim, a graça de Deus em nossas vidas é para que sirvamos a ele, para que saiamos da nossa zona de conforto e hajamos em sua obra. Não podemos ficar parados diante de sua grande obra, depois de termos recebidos a sua graça, pois seria ingratidão. Na verdade, precisamos pedir mais graça ao Senhor para servirmos mais a Ele, pois só assim o agradaremos.

Aquele estrondo que eles ouviriam no campo de batalha era o sinal para entrarem em ação. Assim, é muito confortante agir, quando sabemos que o SENHOR saiu na nossa frente. No serviço, precisamos aprender a depender de Deus e de sua providência. Se fizermos assim, Deus cumprirá suas promessas e o nosso serviço terá efeitos porque dependemos dele. Nunca queira agir por conta própria, espere pela graça do Senhor.

4 lições sobre a vida de Davi que nos fazem entender porquê ele era um homem segundo o coração de Deus. Ele consultava ao Senhor, confiava e obedecia a sua Palavra, adorava o seu santo nome reconhecendo seus feitos em sua vida e se estimulava na obra do Senhor ao ver a graça do Senhor agindo em sua vida. Que a graça de Deus nos ajude a também sermos homens e mulheres segundo o seu coração.


Nenhum comentário:

Postar um comentário